Iniciar impressão | Voltar para página

25/05/2014 - 01h53
Pra quem não sabe, ir para Morro de São Paulo compreende pegar um ferry-boat (e a fila que o espera), pegar estrada (quase duas horas) e depois uma

balsa. No meu caso duas balsas, porque primeiro parei na Gamboa do Morro.E foi a melhor coisa que me aconteceu nos últimos tempos. Com três pessoas amigas, leves, engraçadas, dispostas a viver momentos felizes e inusitados, e a enfrentar o cansaço das viagens com total bom humor. Dancei, ri, bebi, comi, mergulhei, tomei banho de uma lama que faz bem pra pele, e tudo mais. Aliás, a tal lama foi um capítulo a parte, primeiro você anda um pouco na praia até chegar ao lugar. Lá tem uma rocha gigantesca que se desprende aos pouquinhos e se junta com o mar, sei lá como é que é direito. O fato é que o resultado dessa mistura fica com uma consistência de chantilly, você entra e afunda meia perna, e todo mundo parecia estar num verdadeiro parque de diversões. Como Morro recebe muitos turistas, havia um grupo de espanhóis que entrava de cara na lama. Um grupo de sulistas e cearenses que escorregava na lama. E eu, Maslowa, Adriana e Bárbara também parecíamos crianças tendo crises de riso e jogando lama umas nas outras. Foi uma experiência e tanto. A lama é de uma cor tipo um rosa claro alaranjado, e estar dentro dela é uma sensação única. Depois banho de mar – que está logo à frente – pra tirar a lama do corpo e a pele fica deliciosa, hidratada, não sei explicar, nem se há qualquer base científica pra isso, mas talvez a gente fique tão feliz e leve ao sair de lá que tudo fique mais bonito no mundo, até a pele.Conheci pessoas de outras partes do mundo, vi as deslumbrantes paisagens do Morro e de Gamboa, estive juntos de amigas queridas e admiráveis. Que bom que decidi ir. Baterias recarregadas!


Iniciar impressão | Voltar para página